EB1 de MAÇAINHAS– Guarda – Portugal
Agrupamento de Escolas Carolina Beatriz Ângelo
O NOSSO BLOGUE VAI ENCERRAR, NO DIA 15 DE JULHO. FOI UM BELO PERCURSO QUE FIZEMOS JUNTOS, AO LONGO DE QUASE 4 ANOS!!!

sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

FELIZ ANO NOVO

Que 2011 seja um Ano Bom para TODOS!

quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Último desafio de 2010

Os meninos da escola do Ricardo andaram a recolher garrafas de plástico, para serem recicladas. Repara na tabela onde está registado o número de garrafas que eles recolheram até ao mês de Abril.

1 Em que mês os meninos da escola do Ricardo recolheram mais garrafas? (1 ponto)

Recorda que cada representa 100 garrafas.

2 Quantas garrafas recolheram no mês de Janeiro? (1 ponto)

X.3 Quantas garrafas precisam de recolher no mês de Maio para recolherem um total de 2000 garrafas, entre Janeiro e Maio? (3 pontos)

Quantos são? Quantos são?

O grupo da Joana vai construir instrumentos musicais como o da figura.

Para construírem este instrumento musical, eles precisam do seguinte material:

Descobre quantos instrumentos musicais o grupo da Joana consegue construir se tiver:

25 caricas

15 pregos

8 tábuas

Mostra como chegaste à tua resposta, usando palavras, desenhos ou contas.

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

É altura de problemas, ou…

problema de alturas?

O Luís e os seus dois amigos andaram a brincar às alturas, como podes observar na figura. Os três amigos têm alturas diferentes.

Tendo em conta apenas as medidas indicadas na figura, escreve o nome dos três amigos, do mais baixo para o mais alto.

Explica como encontraste a resposta.

Desafio-te a resolver este

imageNa sala de aula do Joaquim arrancaram-se todas as folhas do calendário do mês de Janeiro.

O Joaquim pegou em todas as folhas que só tinham um algarismo.

A Maria pegou nas folhas que começavam pelo algarismo 1.

A Joaninha pegou nas folhas que começavam pelo algarismo 2.

O Pedro pegou nas folhas que começavam pelo algarismo 3.

Quem apanhou mais folhas, os meninos ou as meninas? Quantas mais?

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Desafios de Matemática – 4º Ano

Algumas meninas participaram em todos os desafios de Língua Portuguesa e portaram-se lindamente. Outras andaram muito atarefadas, certamente, e não “ligaram” muito.

Vamos ver se na Matemática há mais entusiasmo:

As camisolas da Margarida

A Margarida é muito vaidosa: no Natal recebeu 11 peças de roupa (saias e camisolas)!
Já experimentou tudo e viu que consegue fazer 28 combinações diferentes com as suas saias e camisolas novas.
Sabendo que recebeu mais camisolas do que saias, quantas camisolas e quantas saias recebeu a Margarida?

(Não te esqueças que se desenhares, tens mais facilidade em resolver.)

domingo, 26 de dezembro de 2010

Mais uma sopa…

de Letras. Procura bem e encontrarás 13 palavras da área vocabular de Natal.

F V S W P R S É P I O T E R S
N G B G H K S D Y W F D S M N
B D R Y U E S D F G B V J M K
F G D R T Y M F A M Í L I A I
B F P R E N D A S J K G R N T
E W D S G R T Y U F D B N J A
T R E N Ó B N C D F N Y U E P
M E D E R F G T Y D M C V D U
E D E G H Y W C E I A K A O W
N Y B D E R T B N M J I S U O
I P A Z S E D L Ç B C B N R L
N I S D A I R A B A N A D A S
O N P G H N U T Y C M L Ç O P
E H M A R I A V B A O T I W L
Y E K F G B Z C O L T U F G E
F I N T I L F I L H Ó S D F S
W R H J I T F M K A Y B H T W
G O M L Ç F R U N U T L J K C
S E J B E L É M S U D Z C W A
M Q D Y J K W S L Ç I O R T E

sábado, 25 de dezembro de 2010

Ainda se recordam do Bruno Aleixo?

Para ver em família! Vale sempre a pena recordar…

Uma aventura no Natal

     A história que vou contar nunca a contei antes, mas vou fazê-lo agora.

    Sempre adorei o Natal! Toda a alegria desta quadra, a solidariedade, a amizade, a família, a compreensão… enfim, todos os bons sentimentos e acções de que nos esquecemos no resto do ano.

    Mas, quando era pequenito, aconteceu algo maravilhoso e inesquecível: conheci o Pai Natal! É verdade, o Pai Natal em carne e osso!

    Já todos tínhamos ido para a cama, ansiosos para que amanhecesse o mais depressa possível, para vermos que prendas é que o Pai Natal nos tinha deixado. E foi então que ouvi um barulho vindo da sala.

    Estava tudo calmo, mas o barulho continuava a ouvir-se na chaminé. E eis que aparece o Pai Natal! Ficámos os dois tão admirados e aparvalhados de surpresa que nenhum se mexeu durante uns minutos! Foi ele o primeiro a falar e perguntou-me porque não estava na cama. Disse-lhe que tinha ouvido barulho e por isso vim ver o que se passava.

    O Pai Natal colocou o meu presente debaixo da árvore, mas eu não lhe liguei, porque estava fascinado com ele. Sentámo-nos a beber leite e a comer biscoitos e depois perguntou-me se queria ir dar um passeio no seu trenó e conhecer as suas renas. E acho que eu disse que sim.painatal

    Fomos ao Pólo Norte. Vocês nem imaginam com que velocidade lá chegámos! O Pai Natal mostrou-me tudo: a sua enorme e linda casa, a Mãe Natal e a sua fábrica de brinquedos, onde os duendes trabalhavam todo o ano para que na noite da véspera de Natal todas as crianças tenham a sua prenda no sapatinho. Foi maravilhoso: um Natal, um momento, uma noite e uma aventura inesquecíveis!

    Depois ele trouxe-me de regresso. Deitei-me e adormeci de imediato! No dia seguinte estava eufórico de tanta felicidade, mas nunca partilhei esta aventura com ninguém, vocês são os primeiros a ouvi-la! E sabem que mais? Agora, já mais crescido, continuo a receber o Pai Natal. Já não me deixa um presente, mas, ano após ano, continua a vir a minha casa, depois de terminada a tarefa, comer uns biscoitos e beber um leitinho enquanto conversamos!

    Querem melhor prenda do que esta?

Diogo, 3º Ano

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Sinais de Pontuação

O texto que se segue não tem os sinais de pontuação. Substitui os traços pelos devidos sinais.

_____ Que desaforo é este _____  _____ perguntou ele _____
A rã _____ muito despachada _____ respondeu logo _____
_____ Não se aflija ____ amigo _____ Eu _____ a rã Felisbela _____ saúdo o Senhor Hipopótamo____

FELIZ NATAL!


quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Antónimos

… são palavras de significado oposto (contrário).

Agrupa, dois a dois (número + letra), as palavras antónimas.

1 Antipatia A Melhorar
2 Raramente B Excluir
3 Incluir C Simpatia
4 Construir D Agressivo
5 Piorar E Destruir
6 Carinhoso F Calma
7 Nervosismo G Frequentemente

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Vamos dar ao dente?

Nesta sopa de letras, descobre as palavras da família de dente. Cada palavra, vale 1 pontinho. Quantos irás conseguir?

D D Z W S X D C W F K T G B Y
E H Y N D E N T I Ç Ã O D W K
N Y W D Ç Z Q X K W C D E V F
T W K E G T N H Y M J U N K L
A Ç T N Ç W K Y K G F D T S W
D E N T A D U R A P T Y U R Q
A Q Y U W K X K C Y F K Ç T G
B Y K D N U J M K L P Z A Q D
X S W O D V F R B G T N H Y E
D K J Y P Ç W N B V C D X W N
E Ç D E N T A L K L J E H G T
N Y E D W K Y T R W Q N Z K I
T W N X D C R F V T G T B Y S
A Y T N J M K L P Ç Y A T W T
R F I F J R J D C R W R P R A
I K N M R G W R Y K C F S F C
O F H M J D E N T A D O M C J
M Y O R K W F Y K J C W Y R M
Q W R T D E N T Í F R I C O Y
P S D F G Y J K L Ç Z X K V B

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Sabes o que são, não sabes?

Nomes colectivos

Os nomes colectivos são aqueles que, mesmo quando usados no singular, indicam mais do que um ser - isto é, um conjunto (ou colecção) de seres da mesma espécie.
Exemplo: uma turma é um conjunto de seres da espécie. aluno: é, portanto, um nome colectivo.

Este é o Desafio nº 2. Preenche correctamente as lacunas que se seguem. Cada uma vale um ponto.

Uma ____________ é um conjunto de lobos.
Eram tantas as abelhas, que constituíam um verdadeiro ______________.
Na Serra da Estrela vive o meu tio que é pastor. Ele tem um belo _________ de ovelhas.
No Aquário Vasco da Gama vi um grande ___________ de pargos.
A gata da minha avó teve uma __________________ de gatinhos lindos.
No Alentejo há muitas ________________ de porcos.
Os frutos mais saborosos são aqueles que colhemos directamente no __________ .
Ontem, no estuário do Tejo, havia um grande número de embarcações: uma verdadeira ________________ !
Quando visitei o Gerês, vi uma ______________ de cavalos selvagens.
Nas noites sem nuvens é possível ver, no céu, algumas ____________, a olho nu.

smile

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Desafios

Ao longo desta semana, diariamente, serão publicados desafios de Língua Portuguesa destinados, especialmente, aos alunos dos 3º e 4º Anos. Na próxima semana, será a vez da Matemática.

E o 1º Desafio é: Devemos escrever ão ou am? (Cada palavra certa vale 1 ponto)

Eles er___ irm____s gémeos mas n___ er____ nada parecidos.
Ontem chegar____ tarde, amanhã chegar____ a horas.
No sót___ lá de casa as crianças encontr____ de tudo um pouco.
Quando descer____ a escada agarrar____-se bem ao corrim____.
Esta manhã falar____ muito, logo à tarde falar____ menos.
O Cristóv____ e o Estêv____ sair____ desta escola no próximo ano.
O irm____ e a irmã n____ quiser____ aceitar a sugest____ dos pais.
N sejas t____ antipático sen_____ os amigos fugir____ de ti.
A vossa participaç____ e motivaç____ durante a última liç____ entusiasmar____ o professor.
O c____ do capit____ é ferocíssimo.

Ajuda:

nos verbos emprega-se

  • -ão em sílaba tónica: estarão
  • -am em sílaba átona: estavam
  • nas restantes classes de palavras (nomes, adjectivos, etc.) emprega-se sempre -ão: irmão, canção, lição.
Em resumo: a grafia -am só se emprega nas sílabas átonas de formas verbais.

domingo, 19 de dezembro de 2010

Pequenos Grandes Artistas

Foram, sem dúvida, as grandes estrelas da noite, na nossa Festa de Natal. Eles fizeram vibrar o público. Eles divertiram-nos e divertiram-se.

Parabéns, linditos do Jardim de Infância!

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Festa (LINDA) de Natal - 2010

É por estas e por outras que adoramos a nossa escola.

Foi tão lindo ver a interligação escola – comunidade! Assim é muito fácil  e gratificante realizar actividades.

Todos, mas mesmo todos, estão de parabéns: professores, auxiliares, pais e familiares dos alunos, presidentes de Junta de Maçainhas e da Corujeira…

Mas, acima de todos, são as nossas crianças que merecem o maior aplauso. Elas foram, simplesmente, maravilhosas!

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Momentos divertidos

Temos ensaiado bastante para a Festa de Natal.

Às vezes, as coisas não correm muito bem, mas… tem sido muito divertido!

ensaio_Natal

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

sábado, 11 de dezembro de 2010

Fiz um Boneco de Neve (4)

Um novo amigo gelado

O Inverno está cheio de pressa. Ainda estamos no Outono e já neva.

Na segunda-feira, fui p70 ara a rua e fiz um boneco de neve. Dei-lhe o nome de Gelado.

Ele era constituído por três bolas: uma grande que é a do fundo, uma média que é a do meio e uma pequena que é a cabeça.

Meti-lhe um gorro e um cachecol, para ele não ter frio.

No dia seguinte, fui ver do meu boneco.

-Brrr! Está frio! – disse o Gelado.

-Quem falou?

-O Gelado!

- Mas tu és um boneco de neve, e os bonecos de neve não falam!

- Só alguns é que não falam. Como tu me criaste com amor e carinho, eu falo contigo e quero ser teu amigo.

-Está bem!

Demos um aperto se mão, quer dizer um aperto de mão e pau.

Todos os dias ia visitar o Gelado.

Tornamo-nos muito amigos.

Foi pena, quando uma manhã, os meus vizinhos destruíram o meu boneco.

Mas, antes disso, o Gelado deu-me um sininho com a sua imagem. Desta forma lembro-me do Gelado e não me sinto tão só.

Gabriela, 4º Ano

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Fiz um Boneco de Neve (3)

O meu boneco de neve

Hoje, quando acordei, fui logo espreitar a janela e vi que estava tudo branquinho.
Os meus olhos brilharam de encanto como duas estrelas cadentes.
Quando fui lá para fora com o meu pai, disse:
-Tive uma ideia: e se fizéssemos um boneco de neve?
-Está bem, Eduarda.
O meu boneco de neve tinha um chapéu laranja, uma cenoura no nariz, dois paus grandes para os braços e botões para fazer de boca, olhos e também para fazer o efeito da sua camisola branca, feita de neve.
Quando ia para minha casa, alguém me atirou uma bola de neve. Quem teria feito aquilo?!
- Fui eu que te atirei a bola de neve.
- Mas ... Mas ...
- Sim, eu falo e chamo-me Arnaldo.
- Eu chamo-me Eduarda.
- Queres brincar a atirar bolas de neve?
- Pode ser. Então toma lá esta… e mais esta.
- Se é assim, então toma.
Foi uma brincadeira pegada. Mas, ao fim da tarde, tive de ir embora para minha casa. O Arnaldo pediu-me o casaco do meu pai e um cachecol meu para ficar quentinho durante a noite.
Gostei muito deste dia porque arranjei um amigo novo e brinquei muito.

Eduarda, 4º Ano

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

8 de Dezembro

… é Feriado Nacional. Sabes porquê?!

Coroa_portugalNo dia 25 de Março de 1646, D. João IV fez uma cerimónia solene, em Vila Viçosa, para agradecer a Nossa Senhora o que lhe concedera. Dirigiu-se à igreja de Nossa Senhora da Conceição, que declarou padroeira e rainha de Portugal.

A partir dessa data, mais nenhum rei português usou coroa na cabeça, por se considerar que só a virgem tinha esse direito. Nos quadros onde aparecem reis ou rainhas, a coroa está pousada ao lado, sobre uma mesa, num tamborete ou almofada de cetim.

sábado, 4 de dezembro de 2010

Fiz um boneco de neve (2)

Num belo dia de neve, quando não houve escola por esse mesmo motivo, chamei os meus pais e irmãos para irmos fazer um boneco de neve para o jardim.

Fiz bolas grandes e pequenas. Depois de as ter feito, pus umas em cima das outras e ficaram três bolas.

Fui a casa buscar cenouras, um cachecol e três batatas.

Pus as batatas a fazerem de botões, as cenoura para os olhos e nariz...

De repente, quando dei conta, o boneco tinha vida.

- Olá!!!- disse o boneco, alegremente.

- Tu és falante!- disse eu, espantada.

- Sou.

- Eu nunca tinha visto um boneco com vida!

- Mas agora estás a ver.

- Pois. Bem, vamos brincar?

-  Sim. eu adoro brincar!!!

- Mas… a quê?

- Às escondidas. Pode ser?

- Claro, eu adoro jogar às escondidas.

- Sou eu a contar.

- Ate dez.

- Ok.

- Podes começar!

-1, 2, 3... 10. Preparada ou não, aqui vou eu!!!

Procurou, procurou, até que, passado algum tempo, me encontrou.

- Encontrei-te!!!- dizia ele.

- Pois encontraste.

- Agora és tu!

-Aí vai.

-Não!

- Porquê???

- Porque eu não estou preparado.

- Então quando estiveres, diz!

-Já estou.

- 1, 2, 3...10. Aí vou eu!!!

- Ela não me vai ver aqui.- dizia, baixinho, o boneco.

Quando já estava cansada de tanto procurar gritei:

- Boneco de neve, aonde estás? Aparece!

Claro que ele não aparecia porque ele não aguentava aquele calor que se tinha posto e, então, estava a derreter.

Quando o encontrei todo desfeito, vieram-me as lágrimas aos olhos.

Tentei fazer outro novo mas então percebi que estava muito calor e a neve derretia toda.

- Para a próxima tenho que fazer outro. Até lá, XAUUUUUUUUUUUUUU!!!

Ana Carolina, 4º Ano

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Não gosto da escola…

… assim parada,

sem o rebuliço das brincadeiras,

sem as correrias e atropelos,

sem os gritos e a excitação,

sem  os êxitos e as desilusões,

assim…

adormecida! 

Boneco de Neve

Fiz um Boneco de Neve

   Terça-feira, quando acordei, reparei que já era tarde. Corri para abrir a janela e vi que havia muita neve. Os telhados e os jardins estavam muito bonitos, todos branquinhos. Parecia uma paisagem de um postal de Natal! Fui chamar a minha mãe e ela disse-me que não havia escola, por causa da neve.

   Depois de tomar o pequeno-almoço, fui para a rua mais a Rita, a minha irmã, fazer um Boneco de Neve. Estávamos bem agasalhadas, mas estava tanto frio! Mesmo assim divertimo-nclip_image002os muito!

   Começámos por juntar neve num monte grande. Depois, fizemos duas bolas grandes, a do corpo e a da cabeça. Demorámos muito tempo e as nossas mãos ficaram geladas! Pusemos uma cenoura a fazer de nariz, duas bolas pretas no lugar dos olhos, um cachecol meu à volta do pescoço e um chapéu de palha na cabeça. Depois de pronto, o boneco ficou muito giro!

   Enquanto estávamos a fazer o boneco, chegaram outras vizinhas nossas e aproveitámos para brincar com a neve. Atirámos bolas umas às outras, escorregámos na neve e fizemos outros bonecos pequeninos. Foi uma manhã muito divertida!

   Quando fomos para casa, à hora de almoço, tivemos que tomar um banho quentinho! Estávamos muito frias e molhadas. Soube tão bem!

   O Boneco de Neve esteve à minha porta até quarta-feira, quando derreteu. Coitadinho! Pode ser que amanhã faça outro!

Joana Inês, 4º Ano

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Pequenos Leitores de Maçainhas

Os alunos do 1º Ano iniciaram a caminhada neste mundo maravilhoso que é a LEITURA.

Eles têm-se esforçado muito e estão no bom caminho.

Proximamente, mostraremos mais Pequenos Leitores.

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Restauração da Independência

Foi no dia 1 de Dezembro de 1 640.

Já reparaste que os reis da 4ª Dinastia não usavam coroa?! E porque será que o dia 8 de Dezembro também é feriado? E a Bandeira e o Hino da Restauração, já conhecias?

Vê o vídeo e… aprende mais!

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Uma lenda de Maçainhas

Nossa Senhora da Fumagueira

Antigamente, Maçainhas ficava situada onde hoje está a Igreja.

igrejaUm certo dia, apareceu por lá uma praga de formigas que infestou toda a aldeia. Para escaparem, os habitantes tiveram de fugir para um local mais distante.

Quem ajudou os habitantes de Maçainhas foi Nossa Senhora que fez com que as formigas não atacassem novamente os habitantes.

Para se livrarem das formigas, utilizaram o fumo para queimar os seus ninhos e, por isso, deram a Nossa Senhora o nome de Nossa Senhora da Fumagueira.

Os habitantes construiram uma capela no local da nova povoação e, um dia à tarde, levaram para lá a imagem de Nossa Senhora. Mas, na manhã seguinte, essa imagem apareceu novamente na sua velha igreja, no local que tinha sido infestado pelas formigas.

Este episódio aconteceu durante três dias seguidos.

Eduarda, 4º Ano

domingo, 28 de novembro de 2010

Segurança na internet

Como podem ver, a nossa escola já está registada como Escola SeguraNet.

Para além dos semáforos, lombas e passadeira que estão a ser instalados junto à escola e que muito irão contribuir para a segurança de todos, não podemos esquecer que também a utilização da internet pode acarretar perigos e, por isso, deve ser feita em segurança.

Aconselhamos todos (alunos, pais e Encarregados de Educação e comunidade em geral) a clicar no logo da Escola SeguraNet (ver ao lado) e aprender mais sobre a segurança neste mundo extraordinário que é a informática.

Na escola, iremos participar nos Desafios da Escola SeguraNet.

O primeiro é fazer um desenho relativo ao texto que se segue:

Desafio 1 – O meu computador

O Pedro nem quer acreditar! Recebeu um computador novinho em folha. Está muito feliz, mas agora tem de aprender algumas regras para o utilizar bem e em segurança.

Hoje é o primeiro dia em que o vai levar para a escola.

A professora do Pedro deu alguns conselhos à turma:

- “Agora, que muitos de vocês já têm o vosso primeiro computador, precisam de conhecer alguns cuidados para o utilizar de forma correcta.

Devem ter sempre um antivírus instalado que deve estar actualizado. Além do antivírus, não se esqueçam também que, o sistema operativo e restantes programas instalados precisam de ser actualizados regularmente. Digam isso aos vossos Encarregados de Educação.

Lembrem-se também que o computador pode sofrer uma avaria grave e podem até perder todos os vossos trabalhos e dados. Por isso, peçam aos vossos Encarregados de Educação para vos ajudar a fazer cópias de segurança dos dados importantes.

sábado, 27 de novembro de 2010

Quero contar-vos uma história

   Uma vez, de manhãzinha (...) a Sara e a Ana iam de mãos dadas para a escola.
  Ou talvez não fosse de manhã. Talvez fosse depois do almoço, já não me lembro. Aliás, talvez (...) não fossem a Sara e a Ana, talvez fossem, afinal, o Rui e a Ana, indo de mãos dadas para a escola... Ou talvez a Sara e a Inês... Ou o Rui e a Márcia... Já não tenho a certeza absoluta. Pensando bem, nem sequer estou seguro de que fossem para a escola. Se calhar iam brincar para o jardim...
  O que eu sei é que, uma vez, de manhãzinha (ou então depois do almoço...), duas meninas, ou dois meninos, ou uma menina e um menino – já foi há tanto tempo, como é que hei-de lembrar-me?... - , iam para um sítio qualquer (também não estou certo se iam de mãos dadas ou não, mas acho que iam de mãos dadas...)
  Ou era apenas um menino? Ou era apenas uma menina? Ou não iam para parte nenhuma, e estavam parados no passeio, diante da janela de um rés-do-chão, vendo, numa sala iluminada (talvez, afinal, fosse à noite, depois do jantar), muitas pessoas sentadas a ver televisão, e um gato amarelo a dormir enrolado em cima da televisão? E as pessoas?, estariam a ver televisão ou a ver o gato amarelo enrolado em cima da televisão? Também já não tenho a certeza...
  Não há dúvida que eu não sei esta história. Deve ser outra pessoa quem a sabe... como é que eu posso contar uma história que eu não sei? Vou ver se me lembro de alguma que eu saiba...

A história do contador de histórias, Manuel António Pina

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Dia da Guarda

No dia 27 de Novembro de 1 199, El-Rei D. Sancho I concedeu a carta de foral à Guarda. É por isso que este é o dia do FERIADO MUNICIPAL da GUARDA

A turma do 3º Ano fez alguns trabalhos que ajudam a conhecer melhor a História da nossa cidade.

Cantiga da Ribeirinha

Cantiga da Ribeirinha, ou cantiga de Guarvaia, é o primeiro texto literário em língua galaico-portuguesa de que se tem registo.

A cantiga foi composta provavelmente em 1198, por Paio Soares de Taveirós, e recebeu esse nome por ter sido dedicada a D. Maria Pais Ribeira, concubina de Sancho 1º de Portugal, apelidada de “Ribeirinha”.

IMG_0002_NEWNo mundo ninguém se assemelha a mim

enquanto a vida continuar como vai,

porque morro por vós, e ai

minha senhora de pele alva e faces rosadas,

quereis que vos descreva

quando vos eu vi sem manto

Maldito dia! Me levantei

Que não vos vi feia

E, mia senhora, desde aquele dia, ai!

Tudo me foi muito mal

E vós, filha de don Pai

Moniz, e bem vos parece

De ter eu por vós guarvaia

Pois eu, minha senhora, como mimo

De vós nunca recebi

Algo, mesmo que sem valor.

A Lenda da Guarda

Há muitos, muitos séculos, nas terras que hoje são o concelho da Guarda, deu-se uma batalha entre o rei das Astúrias e os Maometanos.

Entre os soldados andava uma valente guerreira chamada Ana, mas ninguém sabia que ela era uma rapariga.

No final da batalha, o rei quis saber quem era o soldado muito ágil e bravo. Dirigiu-se ao fidalgo Menendo Peres para lhe perguntar, o que o deixou muito atrapalhado porque esse soldado era a sua filha.

O pai da Ana pediu perdão ao rei, mas explicou-lhe que a filha não tinha mãe e que ela o amava muito.

RibeirinaComo estas terras precisam de guarda, entregou-as à guarda de Menendo Peres e da sua filha, ao mesmo tempo que lhes prometia construir ali um castelo, onde ele viria muitas vezes ver a sua…

E assim nasceu a nossa cidade! É uma bela história de amores! 

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Ó meninas,

onde é que vão pôr tantos Diplomas?!!!

Pois, agora deu-nos para acertar também os Desafios de Matemática…mat_nov

Lenda da terra do meu avô…

Rapada Santo António do Alva é a terra do meu avô paterno. Esta localidade pertence ao concelho de Oliveira do Hospital, distrito de Coimbra, e nem sempre se chamou assim. Até 1982, altura em que o seu nome foi mudado, chamava-se Rapada.

Contam os antigos que antigamente um sardinheiro tinha por hábito ir àquela terra, que chamavam Vila das Flores, vender as suas sardinhas. Aí, as pessoas compravam-lhe não só sardinhas, mas também o sal e a caixa.

Quando passava nas outras terras, já não tinha nada para vender. Então, dizia:

- Ali, rapam-me tudo!!

Tantas vezes isso aconteceu que a terra do meu avô passou a chamar-se Rapada.

Joana Inês, 4º Ano

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Vencedoras… mais uma vez!

Já começa a ser, também, uma tradição! Escreveram o texto proposto para este mês, sem um único erro, sem uma única falta. PARABÉNS, meninas!

 Ortog_Nov

Para ser mesmo perfeito, perfeito, perfeito, só falta aqui uma pessoa.

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Zé Ganhão

Uma vida… uma lenda

IMG_NEW Zé Ganhão foi um homem que nasceu e viveu na freguesia de Corujeira, e morreu há cerca de quatro décadas.

A minha avó ia a pé para a Guarda e, à vinda para casa, encontrava-o. Ele perguntava-lhe se queria um caldinho, feito à maneira dele, com ossos de animais já mortos e enterrados.

Ele tinha o hábito de falar sozinho, dizendo que tinha “uma pedra na mão e uma fisga no bolso para o que der e vier”.

E quando vinham as grandes nevadas, o abrigo dele era um barroco e lá conseguia resistir.

- Que vida! – Dizia o vagabundo do Zé Ganhão.

Ele apanhava o lenticão*, amassava-o bem, enrolava-o numa folha de figueira e fumava.

De regresso ao barroco, ele ia dizendo sozinho que era ali que ele vivia e dormia e que não precisava de portas nem janelas!

Ele dizia que preferia assim do que roubar.

Sofia Morgado – 4º Ano

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

É tão bom ter manos ou manas!

Este trabalho foi feito pela Gabriela (4º Ano) e pela mana, a Maria, que anda no Jardim de Infância.  A Gabriela também costuma ler histórias ao outro irmão, o Salvador.

IMG IMG_0001

Na nossa escola há bastantes alunos que têm irmãos. E são muito amigos. São uns sortudos, podem crer!

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Lenda da Senhora do Barroquinho…

ou dos Aflitos

  IMG Conta-se que, em tempos muitos antigos, um pastor que guardava um rebanho, quando regressava a casa, foi atacado por uma alcateia.

   Assustado, ele correu tanto que, quando já estava quase a ser mordido pelos lobos, escondeu-se atrás de um barroco. Aflito, pediu a Nossa Senhora:

   -Senhora, faz com que os lobos não me matem, e eu construir-te-ei uma capela em teu louvor.

   Como que por milagre, os lobos fugiram.

   Nesse mesmo local, o pastor construiu uma capela à qual deu o nome de "Nossa Senhora do Barroquinho"… mas muita gente chama-lhe "Nossa Senhora dos Aflitos."                                                                                              (Ana Carolina – 4º Ano)

terça-feira, 16 de novembro de 2010

O Desejado

D. Sebastião morreu na batalha de Alcácer Quibir e não deixou descendentes.

Não foi só ele que morreu, foi também a nossa independência.

Sucedeu-lhe o Cardeal D. Henrique, que morreu dois anos depois. Ainda foi nomeado D. António Prior do Crato, mas o rei de Espanha invadiu Portugal e, vencendo os portugueses, tornou-se rei de Portugal, com o nome de Filipe I.

Durante 60 anos fomos governados por reis espanhóis: Filipe I, Filipe II e Filipe III.

Até que, na manhã de 1 de Dezembro de 1640…

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Pequenos poetas, grandes artistas

Os alunos do 3º Ano escreveram estas quadras e fizeram os desenhos relativos ao S. Martinho na nossa escola.

Bruno Neves Érica
Diogo Sá João
Colectiva

sábado, 13 de novembro de 2010

A história da Maria Castanha…

contada pelas alunas do 4º Ano

Foi a 1ª vez que realizámos este tipo de trabalho: gravação de uma história em áudio digital. Tivemos que fazer várias gravações e, portanto, lemos várias vezes o texto procurando aperfeiçoar cada vez mais a leitura.

Sabemos que o resultado final ainda não é muito bom mas, com a nossa persistência e mais trabalho, havemos de melhorar.

HPIM5330 

Uma, duas, três castanhas…

Já estamos mais afinaditos. Os gestos é que não estão muito bem, pois não?

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

S. Martinho

E a tradição manteve-se.

Fizemos várias actividades, em conjunto com o Jardim de Infância.

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

A Lenda dos Três Milagres

A Joana Inês recolheu esta lenda, que está ligada à terra dos seus avós.

Lenda dos três milagres

A minha avó Berta, que já faleceu, morava numa aldeia que se chama Açores, no Joanaconcelho de Celorico da Beira, que tem como Padroeira Nossa Senhora do Açor.

A minha mãe contou-me, que lhe contara a minha avó, que um rei espanhol, desesperado por não ter filhos, pediu ajuda à Nossa Senhora dos Milagres, do sítio de Aldeia Rica, conhecida por ter salvo um pastor e uma vaca de morrerem afogados.

O rei teve um filho que ficou inválido. Depois de irem a vários médicos, em vão, a rainha pediu outro milagre à Virgem e partiu, juntamente com o rei e o príncipe, para o sítio da Aldeia Rica. No caminho, já perto, o príncipe morreu. O rei culpou a rainha e decidiu enterrar ali o filho. A rainha não deixou e, com fé, colocou ali o corpo aos pés da Virgem e ficou ali a rezar.

O rei, que não acreditava em milagres, foi caçar e quando lhe disseram que um dos caçadores tinha soltado um dos açores reais, condenou-o à morte, ordenando que começassem por lhe cortar a mão que tinha soltado a açor.

Quando lhe iam cortar a mão, o açor veio pousar nela. O caçador gritou que era milagre e, ao mesmo tempo, chegou a rainha com o filho vivo gritando também:  “MILAGRE”.

O rei libertou o caçador e todos os açores do reino e resolveu construir a igreja de Santa Maria dos Açores, onde podemos ver três lindos painéis que representam:

“ O aparecimento da Virgem ao rústico da vaca”

“O Açor pousado na mão do caçador”

“O filho do rei, ressuscitado”

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Para mil, eu

Lenda da Nª Srª do Mileu, recontada pela Gabriela.

mileu Era uma vez dois ladrões.

Eles foram assaltar a Capela do Mileu, que nesse tempo ainda não tinha nome.

Roubaram tudo o que lhes interessava e prepararam-se para ir embora.

Mas um deles, antes de sair, disse em tom vitorioso:

- Agora, nem que viessem cem homens, para nos apanhar.

Então, ouviu-se a voz de Nossa Senhora que disse:

- Para mil, eu.

Os ladrões, muito assustados, tentaram fugir mas ficaram agarrados ao puxador da porta.

Desde então, a capela passou a chamar-se de Nossa Senhora do Mileu.